21 de jan de 2013

Sugar Rush




Primeira temporada de Sugar Rush.


Segunda temporada de Sugar Rush.

Sei que para maioria de vocês essa é uma série antiga, 
concordo. Quando reparei nas datas confesso que não
imaginei, que naquele tempo tinha um seriado tão legal.
Para as sapatilhas que se descobriram agora ou está em
fase de descoberta super recomendo! Sugar Rush
é uma série teen como outra qualquer, porém com o
diferencial da protagonista ser homossexual.
E não pense que terá drama não, apesar da Kim (Protagonista)
 ser apaixonada por Sugar (Sua melhor amiga)
a trama segue com o bom humor.
Me apaixonei demais pelas personagens. Sei que existe seriados
mais populares como Lip Service, mas Sugar Rush é para
adolescentes o que chamou minha atenção.
Não tem a Em de Pretty Little Liars? Então é a Kim de 
Sugar Rush, ambas gostam da melhor amiga só que a
diferença é que a Kim chegou a namorar com Sugar.
Se formos comparar as duas personagens, são bem parecidas,
tirando o fato que Sugar Rush se baseia em cima dos relacionamentos
de Kim com as garotas.

    Kim e Saint                                           Kim e Sugar
       
Como não estou comparando uma série com a outra, muito menos dizendo
que são iguais seguirei contando um pouco sobre suas temporadas.

OBS:  Sugar Rush não tem nada haver com PLL.

Na primeira temporada Kim vive o drama da pulada de cerca de
sua mãe (Estella) que sai de casa para morar com um rapaz mais novo
por um tempo. Até que (Nathan) seu pai aceita-la de volta.
É nessa temporada que ela corta um dobrado com Sugar e sua compulsão
por homens. Seus relacionamentos com homens a maioria problemáticos
passam interferir na vida de Kim a ponto dela pensar em embebedar
a melhor amiga para ter algo com ela.
 Essas partes são muito divertidas! Dela armando planos para
seduzir Sugar. Ocorre algumas situações também como a de 
Kim perder a virgindade com o vizinho; dela entrar em um grupo
cristão acreditando em poder se livrar do espirito de sapatão etc.
A primeira temporada roda nisso, na tentativa de Kim ficar com Sugar.

Cuidado contem Spoiler!!! 

No final da primeira temporada Sugar mata um homem.
Sugar e Kim fogem para outra cidade e dão entrada em um
quarto de hotel, onde finalmente fazem amor. Termina com os
pais de Kim e a policia chegando no quarto pegando as duas na
 cama.

 Já a segunda temporada é a que eu gosto mais! Começa
com a Kim relembrando o último capitulo da temporada passada
e contando o que aconteceu com as duas. Logo em seguida aparece
Kim se masturbando com a escova de dentes embaixo da coberta — 
Acho essa cena super engraçada — e depois ela visitando Sugar na prisão.
Essa temporada é recheada de coisas novas saindo da monotonia de
outros seriados. Enquanto Sugar está na presa Kim conhece Saint (Dona
do Sex Shop) Dj da boate CC que a convida para uma noite das mulheres,
onde ela se envolve com Ana.
Gente vocês vão morrer de rir da musiquinha que toca quando a Kim entra
no Sex Shop; vão cagar* com a Ana e do sexo
selvagem que mais uma vez seus pais a pegam no flagra.
A segunda temporada roda em cima do relacionamento de Kim
com a Saint e dos dramas de Sugar quando sai da cadeia.



Nota 10 para as duas temporadas recomendo! E
para quem conhece vale a pena relembrar.

 Vídeo da primeira temporada.
 
 OBS: Baixei todos os episódios por partes no You Tube.

18 de jan de 2013

Um lugar chamado Amal parte 2


Depois de citar um pouco sobre a exploração americana
em nosso "ajumentado" país falarei sobre o lugar em 
questão Amal.
Me pergunte se algum de vocês quando criança
sonhava em fazer uma viagem para Amal ao invés da
Disney? Ou se antes de morrer Amal está em sua lista de
lugares a serem visitados? Acho que a resposta para
essas duas perguntas obviamente é não.
Ninguém deixa de cogitar uma viagem a Nova Iorque para
pensar em uma para Amal certo? De onde tirei isso?
Bem foi de um filme chamado Fuck Amal ridiculamente
traduzido para nós como Amigas de Colégio — Que cá para
nós qualquer idiota saberia traduzi-lo para "Foda-se Amal".
Achei interessante demais as diferenças culturais e chocada com
o quanto eles estão menos desenvolvidos do que nós e bem longe
dos padrões americanos.
É um lugar esquecido. De tão isolado e escondido ao assistir o
filme parece que Amal não existe, apenas foi inventado para o 
desenrolar da trama.


Conhecendo Amal


    Centro de Amal.

 Åmål é uma cidade sueca, situada na província tradicional de Dalsland. É sede da comuna de Åmål, no condado de Västra Götaland. A sua população é de 9300 habitantes, ocupando uma área de 745 hectares.
Åmål foi fundada no século XVII e tornou-se uma das cidades autónomas da Suécia em 1646, em termos de comércio (estatuto entretanto extinto em 1971) e a única cidade da província de Dalsland. A sua localização, perto das fronteiras com a Dinamarca e a Noruega, outrora unidas, trouxe-lhe algum sofrimento nos séculos que se seguiram. Primeiro, em 1645, quando foi quase completamente demolida, e, pouco depois, em 1676 e 1679. E, pela última vez, em 1788, quando foi conquistada pelos dinamarqueses, que a mantiveram na sua posse por algum tempo.
Após o último incêndio violento em 1901, do qual resultaram cerca de 1000 pessoas sem casa, foi reconstruída com ruas mais largas e casas maiores.
 O filme Fucking Åmål desenrola-se nesta cidade (apesar de ter sido filmado em Trollhättan) e retrata uma cidade relativamente aborrecida e "normal".

Fonte oficial Wikipédia

Uma pergunta franca: Você leitor(a) um dia procurou
por Amal na Wikipédia?  
Espero que algum de nós tire os principais roteiros
como Londres e Paris da lista de prioridades e
inclua Amal.


      

Um lugar chamado Amal


Vocês sabem o que é Amal? Agora claro, pus no título que
é um lugar. E se o título fosse As delicias de Amal e o
texto a seguir viesse dizendo que Amal é um tipo de
comida, será que muitos de vocês iriam me corrigir nos
comentários?
 
Para quem não sabe Amal fica na Suécia.
 
Mapa da Suécia e em azul onde está localizado Amal.

Não podemos discordar sobre algo que não conhecemos
certo? Se eu não sei o que é Amal, lógicamente por mais que
eu desconfie, de imediato vou acreditar que Amal é um prato
tipico de algum lugar.
Devem estarem se perguntando: Aonde quero chegar com
esse artigo? Então falamos de "quebrar" os padrões sociais e
econômicos, de "picote" nos esteriótipos, clichês e etc.
E os mesmos que pregam essa revolução comemoram a
vinda de marcas internacionais como Tiffany e Co.
Ferrari e Gucci no Brasil.
Essas pessoas são as mesmas que reclamam e dizem se
incomodar com a pobreza, desigualdade social, por patriotismo e,
no entanto, se endividam com empréstimos altissímos para manter o
consumo de "supremo" padrão na cidade.
Mais uma vez a terra do Tio San descobriu e investiu pesado
em nosso PONTO FRACO. Valorizamos tudo que é estrangeiro,
nem que deixemos de nos alimentar para isso! A prova disso é que
nós procuramos gastar dinheiro com o suficiente de comida para
viver e aceitando com mais frequência aos convites de jantares
na casa de amigos, parentes e sogras. E adivinha para quê?
Para economizar e sobrar para as futilidades.
 
 Exemplo de futilidades.
 
Estamos servindo de "step" para os Estados Unidos se
reerguerem como potência econômica, enquanto nossas 
industrias não saem do papel de "planos" de negócios do SEBRAE
"Planos" porque tanto que planejam que deu tempo da Louis Vitton
  vir ao Brasil e nós brasileiros o máximo que chegamos ao empreende-
dorismo é montar uma barraquinha de camelô na 25 de março.
Digo a classe C não estou falando de Eike Batista e seu padrão
EBX que sinceramente... Cansei de só termos ele de referencial
de empreendedor no Brasil! Soa tão formal, tão longe de nossas
realidades.

                                                                                Continua