24 de out de 2011

3mm



Depois de tantos motivos  que me deixaram
tristes finalmente percebi um para me alegrar.
Consegui por meu alargador e adivinhem! 
Foi super tranquilho rs.
Tanto medo atoa, comprei uma estaca
de 3mm e empurrei no buraco do brinco (de-
talhe a seco.)
Senti uma dor só tipo assadura misturado
com beliscão, no entanto nem chorei.
Assim que a estaca ficou no lugar começou a
latejar o que é normal; passei álcool e pomada de
gengiva para acelerar a cicatrização.
Meu lóbulo e tão bom que nem ficou aquele ver-
melhão, pasmem! Nem sangrou. Claro que não
  brinco com a sorte tomei um anti-inflamatório,
mas para quem estava  cagando de medo 
passou que nem quiabo.
Fiquei surpresa com os 3mm direto tem gente
que penou até para colocar de 1 rs.  Obrigada
vocês amigas que me apoiaram, deram dicas,
coragem estou muito feliz.
Podem achar bobeira da minha parte, porém
me sinto realizada com ar de Bad Girl sabe...
Eu quis e fiz! Recomendo alargar em casa
com auxílio de uma pessoa cheguei a con-
clusão que é 80% seguro.

22 de out de 2011

A procura da beleza


Desde quando beleza é sinônimo de felicidade?


Não é e nunca foi! O ser humano que deu
prioridade a algo que ao seus olhos
é necessário. Beleza essa a ponto de
arriscar a vida, causar danos a saúde, depressão.
É normal sonhar, achar uma atriz bonita, pintar
o cabelo. Legal ter vaidade, porém quando isso
passa dos cuidados e vira constância melhor
ligar o alerta vermelho.
Eu preferi fechar os olhos e seguir em frente
na busca do esteriótipo ideal.  Me enchi de
química, produtos que não tinha fim, queria
alisar, pintar cada dia mais. Cadê meus
amigos nessas horas? Alguém para
dizer que eu estava viciada? Para
me impedir? Pelo contrário só tinha
pessoas para meter o malho: sua
raiz está isso, suas pontas estão aquilo.
Como falei antes fiquei careca essa foi a
consequência da minha irresponsabilidade.
 Para as meninas que se sentem feias
diante do espelho: se amem!


O preço da vaidade


O que é beleza? Ser bonito?
Está na moda? Fazer parte
de um padrão social?
Como ser aceito?
São perguntas que eu procurava
incansavelmente as respostas.

Foi Guanidina, só que eu tão obcecada iria apelar para ele.

Faz uns 4, 5 anos que virei dependente
de uma droga o nome dela é '' senhorita
beleza ''  sabe aquelas pessoas de cabelo
crespo e raiz dura? Sim essa era eu.
Todos riam do meu cabelo fora de moda
ele era preto sem corte. Ia no salão e só
faziam o de sempre: o famoso retão.
Até que um dia cansada de ter um cabelo
assim, que só servia para andar preso
fui a farmácia e comprei a primeira
dose da droga. 
Fiquei na época saltitante, pois finalmente
eu ia ter um cabelo com vida, balanço, liso
igual a mulher da caixa. Apliquei e deu certo!
Isso à 4 anos atrás.  Selise foi o primeiro
produto que ao meu ver '' fez milagre ''.
Depois dele passei a pintar o cabelo,
misturava tinta com alisante. E
ia na fé, usava tinta e alisava
sem pena: tudo pela beleza!
Tive pequenas quedas, mas
nem liguei afinal estava linda. Até
que esse ano  resolvi descolorir e pintar
de loiro, meu sonho era ser loira desde
pequena. Pintei arrebentei com ele, tive que
gastar 80 reais com produtos de hidratação,
mas para mim era normal. Normal eu achava
que era por isso que caia, não cuidava direito. 
Antes de descolorir eu estava dependente de uma
droga poderosa! Ela me viciava a cada dia, me
olhava no espelho e ficava louca com os efeitos
que ela causava. Me dava prazer e repulsa ao mesmo
tempo, me fazia sentir feia e linda.  Essa '' dose mais forte ''
me fazia querer mais. Ontem era para ter sido um dia
'' feliz '' só que quis usar de qualquer forma..
surtei mesmo falando que não podia.
Meu cabelo estava loiro (para quem me conhece)
um loiro lindo dos sonhos, um cabelo que nunca
tive. Até que fui fazer meu moicano
cortei e tals.. até que pedi meu primo para
passar a Guanidina e sem perceber... Fiquei
careca.

O preço da vaidade me fez perder os cabelos.
Para as meninas que estão presas a '' heroína ''
progressiva um alerta. E não me venha com
o '' aconteceu contigo, comigo é outra história ''
que eu dizia a mesma coisa.  A galera do
formol com creme: FORMOL mata!
Eu só perdi os cabelos poderia ter sido a vida.


18 de out de 2011

Não vejo lado bom em ter amigos héteros



Uma questão que eu nunca havia percebido
e me caiu a ficha, é que não tenho mais
amigo hétero. Juro que na correria
do dia-a-dia e pelo comodismo de 
sair com as mesmas pessoas, nem
me dei conta disso. Olhei minha agenda
hoje e só tem amigo gay de homem
só parentes. Meninas hétero só
minha prima o resto é tudo ex.
Mas sinceramente não vejo lado bom
em ter amigos héteros, nada contra cada
um faz suas escolhas como eu fiz a minha.
Conhecidos até vai um papo aqui outro
na morte.. Porém para amigo acho
meio difícil amiga hétero o assunto é
mais ou menos assim:

PRIMEIRA SAIA JUSTA

Amiga hétero: —  Sai com um gato ontem moreno
forte, gostoso ui!
Eu: — ...
Amiga hétero: — Amiga você tinha que ver, esse duvido
que tu ia resistir.
Eu: — ...
Amiga hétero: — Vou ligar para ele e pedir para arrumar
um amigo quem sabe não rola..
Eu: — ...

SEGUNDA SAIA JUSTA

Amiga hétero: — Sapatão me arruma um dinheiro ai
amiga.
Eu: — Para que?
Amiga hétero: — Vou encontrar um gatinho na balada.
Eu: — Hum... Toma.
Amiga hétero: — Depois te ligo para contar os detalhes.
Eu: — ...

Cá com os meus botões como se eu tivesse
interesse em saber.
Quando é amigo hétero as situações são essas:

PRIMEIRA SITUAÇÃO

Amigo hétero: — Pô você é lésbica mais
é bonitinha ainda..
Eu: — ...
Amigo hétero: — Vamos marcar de sair só nós
dois para conversar.
Eu: — ...

SEGUNDA SITUAÇÃO

Amigo hétero: — Peguei uma mulher ontem.. Cara
que delicia de morena ui!
Eu: — ...
Amigo hétero: — Tinha que ver me deu molinho.
Eu: — ...

TERCEIRA SITUAÇÃO

Amigo hétero: — Tem um amigo meu que 
quer te conhecer.
Eu: — Nem rola..
Amigo hétero: — Por que? Só conhecer ele é 
maneiro, cara direito etc..
Eu: — Não curto sabe disso.
Amigo hétero: — Eu sei! Mas vai que ele mexe com
seu coração.
Eu: — ...
Amigo hétero: — Vai pra Via amanhã?
Eu: — ...


Cá com os meus botões AFF ¬.¬
Agora entendem porque não vejo 
lado bom em ter amigos héteros?














16 de out de 2011

Em cima do palco



Não é todos os momentos que
são de tristezas. Se olharmos
bem temos motivos de sobra para
nos alegrarmos. Sei que o ano está
difícil não só para mim, como para
você, porém temos que dar valor as
coisas que nos fazem sentir vivos. Na
maior parte do tempo nunca nos conformamos
com o que temos, fazemos, compramos.
Sempre estamos a procura de mais,
reclamamos, diminuímos nosso
emprego, nosso relacionamento,
nossa família. O outros estão
sempre melhores do que a gente é
incrível como a grama do vizinho é mais verde
e a nossa está sempre amarelada.
   Depois de textos contando meus problemas
pessoais, esse é para falar de uma das
coisas que mais me orgulho. Minha razão
de sonhar, de lutar, de agradecer 
por está viva,  sem isso não seria
completa. Meu curso de teatro
faço à 4 anos e desde o primeiro dia
que vi que tinha talento para atuar, mesmo
meus pais nunca terem me apoiado insisti 
até o fim. Os primeiros meses foram complicados
pois tive que passar por cima de muitas coisas
até sair da escola eu ameacei por ele.
Na época eu tinha 17 anos, minha mãe tinha
que assinar para eu pegar a vaga o que deu uma
enorme confusão.  Não abaixei a cabeça, pois
costumo dizer que quando é o nosso sonho
a gente faz de tudo até andar a pé
todo domingo de um bairro para o outro
eu aguento, é algo que faço com prazer
e quando sentimos esse prazer, essa
sensação de bem estar pode vir
qualquer barreira que passamos por cima.
Descrevo atuar como liberdade ao extremo
é dar vida a nossa imaginação, é dar voz
aos nossos sonhos e vontades, é poder
errar,  é ser o amor, o ódio, a paz
o medo tudo em um só. E ser
de todas as cores e não ser apontado,
é gritar e não ser chamado de louco.
É ter desconto, pois é tudo pela arte, artista
não tem moda, ator não tem gosto.. Ator
é todas as modas, todos os gostos
é uma mistura, somos sábios, tímidos
uma metamorfose ambulante como dizia
Raul. Para o ator nem o céu é o limite,
pois temos asas para voar bem alto
ultrapassando os limites.
Quando estou nos palcos meu mundo gira,
o coração bate forte, meus olhos brilham..
Nada pode me parar, o caminho para o sucesso
é longo, mas sei que no meio dele vou encontrar
pessoas que me apoiem e que realmente
se importem comigo. Pessoas que torcem e
querem bem; um dia vai e outro vem
mesmo que eu caia forças não vão me faltar
para levantar com a cabeça erguida.
Um conselho que dou com isso tudo:
Se você ama o que faz dê tudo de si, pois
mais a frente vai ser muito gratificante. Seu
coração vai bater de alegria, o semblante
vai ser de realização, nada vai te tirar a paz
naquele instante. Estou lutando, gravando falas
enormes, acordando cedo, andando a pé, mas
um dia direi é valeu a pena.
Vou desfrutar dos lucros e lembrar de tudo que passei
e dar valor. 

Quem puder prestigiar a minha peça. Moradoras
do Rio e dos municípios próximos de São
João de Meriti estão todas convidadas.
Um espetáculo que terá realismo com
pitada de comédia e grandes emoções.
As meninas de outros estados  sintam-se a vontade
para aparecerem também! Se puder custear
a passagem de avião assiste ao espetáculo
e ainda aproveitam para conhecer a cidade
maravilhosa. Mais informações:
Perfil do facebook

15 de out de 2011

Teste: O cumulo da sapatão rs



Oi queridos (a) que ainda passam por aqui, como é
sábado, um frio desgramado e eu quero te fazer rir
bolei um teste. OBS: levem na esportiva!

Acessório no qual você não se desfaz:

(a) Aquele chinelo da Rider maior que o seu pé.
(b) Pochete kkk, essa é sagrada.
(c) A fitinha colorida de lembrança da sua primeira 
parada.

Quando você era pequena:

(a) Usava a camiseta do Shiryu dos Cavaleiros do Zodíaco
(b) Sempre era os personagens masculino dos desenhos kkk, isso
é clássico kk, sempre queria ser o Hércules '-
(c) Era uma criança comum.

Quando uma mulher linda de morrer passa você:

(a) Quase quebra o pescoço para olhar.
(b) Assobia e manda piadinhas de tipo '' que isso nem ''
kk, de 0 à 10 essa é a melhor.
(c) Mesmo sendo discreta dá aquela olhadinha básica.

No seu armário tem:

(a) Algumas peças masculina e blusas, sandálias feminina.
(b) Cuecas, ternos, samba canção, regatas 100% masculino.
(c) Roupas unissex, muita camisa  Hering, regatas de campa-
nhas, com estampa de suas bandas preferidas.

O que você faz  que dá certeza que é sapatão? (Não
tem como negar kkk.)

(a) Faz questão de coçar a virilha
(b) Se refere a si própria no masculino.
(c) Corta o cabelo no barbeiro.

Com 13 anos você:

(a) Soltava pipa e jogava gude com os moleques.
(b) Já colocava bola de meia dentro das calças kk, (mui-
tas faziam isso que eu sei hum!)
(c) Nessa época você ainda se fazia de desentendida.

Come ovo cozido, linguiça, banana e salsicha?

(a) Da lista acima só consigo comer o ovo.
(b) Lógico que não! Por motivos óbvios HAHA.
(c) Como, pra mim isso não tem nada haver.

Meninas do meu Brasil e do mundo a questão acima
é para ser levada na esportiva mesmo! É uma piada
que veio no caderno de perguntas da minha amiga.
Quando li ri horrores, espero que com vocês aconteça
o mesmo.  Notem que a questão em si é o cumulo da
sapatão rs.


Resultado

A maioria a: se esforce mais um pouquinho kkk, falta
pouco para você atingir o nível de sapatão Master.

A maioria b: parabéns você ganhou a carteirinha de
oficial do cumulo da sapatão! Quando você nasceu o
médico ficou na duvida é menino ou menina?

A maioria c: Você até tenta, mas se contenta com o seu
meio termo e bem pra menos por sinal rs. Mesmo você 
cortando o cabelo no barbeiro, nesse teste continua sendo 
a perdedora.

Deixo claro que em nenhum momento, esse teste tem
a intenção de ofender, humilhar e desrespeitar ninguém.
Não é válido, não serve para provar nada. É apenas uma
brincadeira como havia dito desdo início.
Para servir de consolo eu fiz o teste e deu que sou o cumulo
da sapatão rsrsrs! Não é só de textos sérios que vive um blog.





14 de out de 2011

Medo de sair de casa



Para uns é mais fácil só de pensar na liberdade
arrumam qualquer emprego, se enfiam em
   quartinhos com banheiro e pronto!
Faz anos que estou incomodada com as regras
impostas pela minha mãe. Não me desce mais 
os argumentos furados dela, meu pai então nem se
fala borsal toda vida. São tacanhas e percebi que não
querem mudar; mente fechada pregam a ditadura o que
é o pior. Meus pais são homofóbicos e isso vem atra-
palhando meu crescimento como pessoa. Não posso
sair, ter amigos, atender o telefone etc.. 
Pregam a verdade e não querem ouvi - la cansei de
fazer da minha vida uma bola de mentiras.
É triste dizer isso, mas os únicos motivos que me
prendem a eles são: o comodismo e o desemprego. Não
tenho para onde ir, por isso não sai. Se torna insu-
portável conviver com meus pais estando infeliz.
Para mim e alguns outros é difícil sair de casa 
por questões obvias: insegurança e medo de 
pedir para voltar. Fora que tem uma lista de prós e
contras onde os contras prevalessem desanimando
legal. Começando com a verba do aluguel, depois
luz, água, gás, comida, telefone, Tv a cabo, 
Velox. Resolver tudo sozinha lavar, passar, co-
zinhar. Compras, ai fica puxado. A solidão 
também assusta, passar mal e não tem nin-
guém para socorrer e ser assaltada.
Os prós são com certeza liberdade e não 
dever mais satisfações. Fora acordar a hora 
que o sono acabar, comer o que quiser e quando
tiver fome, sair e voltar sem avisar, encher a gela-
deira de bebidas e deixar duas garrafas com água,
dormir na cama com a namorada.
Me vestir como eu quero e me sinto bem, receber
visitas dos meus amigos, dar uma festa. O desem-
prego e a falta de recurso tem me afastado a cada
dia desse sonho sair de casa e ter o que é meu.
Sair dos '' cuidados  '' dos pais é uma decisão muito
importante tem que ser bem pensada; porém temos
necessidade de crescer e voar.

Gostaria que vocês leitores (a) que moram sozinhos (a)
me contassem um pouquinho de suas experiências. 





Me sinto incubada



É tão ruim ter o peito aflito e engolir nossas vontades a seco.
Ter medo de mostrar quem realmente somos, nos esconder
para não sermos eliminados do jogo da '' normalidade ''.

Mesmo libertando meu arco - íris interno ainda me sinto
presa, na obrigação de seguir algumas regras e corresponder
expectativas. O preconceito e o senso critico das pessoas
tem me engolido, palavras de efeito me desarmam e com isso
entro em crise. Tenho me sentido frágil é como se eu voltasse a
clandestinidade, uma sensação de me deixa com as mãos atadas.
Sinto que existe algo me impedindo de gritar, me puxando para
baixo. É muito doloroso ver em outros corpos o que você quer ser e
não pode; ir no salão e adiar pela milésima vez aquele tão sonhado
 moicano por um corte discreto.  Entrar em uma loja passar pelo
setor masculino e não poder comprar nada. 

Tudo por culpa do olhar julgador da família, que ao invés de
apoiar são os primeiros a nos arrazar.
Sei que como eu muitos se encontram na mesma situação.
O mundo pode falar, mas não damos a mínima porque não são nada 
nosso! Porém a família cobra e bate para doer. Eles jogam baixo  
falam que essa minha escolha é por influência  de más companhias que
quando eu cair no leito do hospital vou ver que não tenho ninguém 
além deles.

Me sinto incubada  mesmo sendo assumida, não uso boné com medo da
opinião de tio, tia, primo, madrinha, avô, avó, venho me privado por pessoas
mesquinhas que só querem o que convém a eles.
Eles são meus parentes isso é o que venho pondo na minha cabeça, são
família da minha mãe. Pai, mãe, irmãos, cunhados, sobrinhos da minha mãe
e não meus, eles tem que falar da vida dela e não da minha. São parentes e
não meus donos; deviam se limitar no lugar onde os cabem: visitas básicas,
natal, aniversários..
Enquanto abrirmos mão do que queremos esses '' parentes '' se aproveitam
de nossas fraquezas para ressuscitar aquele bicho de sete cabeças que demos
parte de nossas vidas para matar. Sei que é difícil para mim, mas estou
no limite cheguei a ponto de voltar a sentir vergonha de quem eu sou. Até
onde vai essa opressão? Vou seguir em frente sem olhar para trás.. esquece - los.
Se não me aceitam, não tenho obrigação de inclui - los no meu futuro. Vou arre-
bentar o vínculo brutalmente começando não passando natal com eles. Estou
na idade onde falsidade não supre desejos. 
Vou chorar, mais do que adianta está rodeada de pessoas que abafam o meu
sorriso? Que deixa claro que não me quer feliz.

Sei que muitos vão dizer que família é tudo pai e mãe
podem até ser, mas parentes não.


8 de out de 2011

Alargar ou não alargar? Eis a questão



Fui em um desses fóruns que respondem
as perguntas dos integrantes e o tema era
alargadores. Havia para mais de 60
questões respondidas, até que encontrei
uma que tinha haver comigo.
Sim! Estou pensando em por alargador
em uma orelha só, não deve passar de 4mm.
Comecei a procurar por blogs e comunidade de
amigos um método de alargar sem sentir dor. Ai
veio a questão do fórum a tona: alargar ou não
alargar? Eis a questão. 
Alguns leigos podem achar que só o fato de
eu querer, e achar bonito é motivo quase o suficiente
para alargar. Não é bem assim! Há riscos que des-
anima; como o de inflamar e dar queloide vi  algumas
fotos é horrível o machucado. Outra coisa que deve
incomodar é o mal cheiro nas primeiras semanas de
cicatrização. Teve um menino no fórum que falou
sobre perder grandes oportunidades de emprego por
causa do alargador, ele alegou que muitas pessoas
ainda tem preconceito. É verdade! Meu tio perdeu a
chance de mudar de vida pelas duas tatuagens que
tem no braço. Quero por alargador pois acho que com-
bina comigo; aqui perto de casa tem um estúdio que
colocar e vender alargadores fico louca com as cores e
modelos diferentes.  Mesmo com o estúdio perto, dou
preferencia de furar em casa dói menos que falaram.
Os profissionais usam bisturi para cortar parte do
lóbulo a sangue frio. Tenho certeza que eu iria 
morrer de dor, não suporto agulha, faca, nada que
que fura e corta. Por essa e outras razões que estou
na dúvida.

Este blog me deu uma luz: Diamonds Megazine

Esse vídeo é bem engraçado, mas é válido para que tem coragem rs: Scarlet Delong

 Gostaria que as meninas que tiverem alargador, me dessem
algumas dicas pode ser?